segunda-feira, 29 de julho de 2013

Jovem com deficiência vence concurso de miss no interior do PA

Candidatas do concurso de miss no Pará vencido por Thais Monteiro (Foto: Edivaldo Mendes / Arquivo pessoal)

A estudante Thais Monteiro, 15 anos, foi a vencedora de um concurso de beleza realizado no último domingo (28), no município de Igarapé-Açu, nordeste do Pará. Ela disputou o título de “Miss Verão” com outras 12 moças, e era a única candidata com deficiência. A diferença não atrapalhou o sonho de criança da jovem em ser a Miss Verão, que precisou enfrentar o preconceito de algumas pessoas. “Uma mulher que torcia para outra candidata disse que eu não tinha chances de ganhar e debochou de mim, foi nesse momento que eu decidi participar", conta Thais.
Thais Monteiro ganhou o concurso de Miss Verão. Ela era a única candidata com deficiência. (Foto: Edivaldo Mendes/ Arquivo Pessoal)
O convite para participar do concurso foi feito pela academia que Thais frequenta na cidade. De início ela recusou, mas depois de se sentir desafiada pelas pessoas que não acreditavam que uma pessoa com deficiência poderia ganhar, ela decidiu entrar na disputa. “Eu disse: não vou lá mostrar não meus defeitos, vou mostrar minhas qualidades!”, conta.
No concurso , a morena de 1,65m e 52 kg chamou atenção do público e conquistou os cinco jurados com sua desenvoltura na passarela. Na apuração dos votos, ela empatou com outra candidata, mas o critério de desempate era o bronzeado, que deu a vitória para Thais, que ganhou o título e uma motocicleta como prêmio.
Thais, que nasceu sem o antebraço direito, não acreditava que poderia ganhar. Para ela, somente a participação já era uma superação pessoal. “Eu não estava esperando que eu ia conseguir, fiquei muito nervosa. Desde pequena era isso que eu queria. Eu não me achei melhor do que as outras, são todas bonitas, não sei nem explicar. Para mim, calei a boca de muita gente que me humilhava”, revelou Thais à reportagem do G1.
A jovem contou com o apoio incondicional da família, que é só orgulho da coragem da bela. “Me sinto muito feliz! Eu pensava que ela não tivesse a coragem. Foi em cima da hora e ela conseguiu essa vitória”, conta a mãe de Thais, Rosangela Rodrigues, 37 anos. “Hoje em dia o pessoal tem muito preconceito, mas ela não se intimida com qualquer coisa, é uma menina alegre”, afirma Rosangela sobre a miss.

Papa agradece aos brasileiros, pede orações e diz até breve

8971

O papa Francisco se despediu dos brasileiros no início da noite deste domingo (28) pedindo orações por ele e terminou o discurso dizendo “até breve”, em uma confirmação de que pretende voltar ao país em 2017, quando serão celebrados os 300 anos da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida. A imagem da Santa foi encontrada por pescadores em 1717, no Rio Paraíba do Sul.

Em vários trechos de sua fala, Francisco disse que deixava o país com saudades de tudo o que viveu durante sete dias, desde sua chegada para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ). “Dentro de alguns instantes, deixarei sua pátria para regressar a Roma. Parto com a alma cheia de recordações felizes, essas – estou certo – tornar-se-ão oração. Neste momento, já começo a sentir saudades. Saudades do Brasil, deste povo tão grande e de grande coração, deste povo tão amoroso. Saudades do sorriso aberto e sincero que vi em tantas pessoas, saudades do entusiasmo dos voluntários. Saudades da esperança no olhar dos jovens no Hospital São Francisco. Saudades da fé e da alegria em meio à adversidade dos moradores de Varginha.”

Fonte: Blog do Marcos Dantas

domingo, 28 de julho de 2013

Papa Francisco entrou de surpresa em uma Igreja Assembleia de Deus e realizou oração com o pastor e fieis


Rio de Janeiro- Em sua caminhada pela comunidade de Varginha, no Complexo de Manguinhos, na zona norte da capital fluminense, o papa Francisco parou em uma igreja evangélica da Assembleia de Deus e fez uma oração com o pastor e os cristãos protestantes, informou o padre Márcio Queiroz, que acompanhou o pontífice na visita à favela. "Caminhando pela comunidade, chegamos até a igreja evangélica. Eu mostrei a ele que eles estavam no templo, e ele pediu para ir até lá para cumprimentá-los. O papa falou com o pastor e com as pessoas que estavam lá, e os convidou a rezarem um Pai Nosso", disse. O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, também comentou a parada do pontífice na Assembleia de Deus. "O papa parou em frente à igreja e rezou com os fiéis da Assembleia de Deus que estavam na porta. Até eles pediram bênção. Foi um momento ecumênico, espontâneo e muito bonito", ressaltou.

Fonte: blog do C.Gomes

Casal seridoense pede interferência do papa contra projeto de lei que permite aborto de fetos com má-formação

ruhama
 O casal Haroldo Lucena e Mariselma da Silva tem filhos gêmeos, um menino e uma menina de 1 ano e cinco meses. A menina Ruhama nasceu com má-formação, enquanto Amin Mateus não tem problema algum. Hoje (27), eles conseguiram a bênção do papa Francisco, quando ele deixava a Catedral do Rio. O santo padre celebrou uma missa para bispos, sacerdotes e religiosos que participam da Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Depois da bênção, o papa deu quatro terços para Haroldo, Mariselma e os filhos.
 Para o casal, a bênção do papa foi uma emoção muito grande, mas de acordo com Lucena, o encontro teve o objetivo de pedir a interferência do pontífice para que a presidenta Dilma Rousseff vete o projeto de lei, aprovado pelo Congresso, que permite o aborto de fetos com má-formação ou sem cérebro – os anencéfalos. “Essa criança está com um ano e cinco meses e os dois são gêmeos da mesma placenta. Pela interseção do beato João Paulo II é que essa criança está aqui. Nossa finalidade de ter saído do Rio Grande do Norte até aqui é só para pedir à presidenta que não assine [o projeto de] lei. Mais nada nos interessa”, comentou. 
A família saiu de caicó para Aparecida, em São Paulo, na tentativa de ter um contato com o papa na quarta-feira (24). Segundo a mãe das crianças, os quatro só chegaram quando a missa na basílica da padroeira do Brasil já tinha acabado. “Fomos até Aparecida só que quando chegamos lá a missa tinha terminado e não deu tempo de chegar até ele. Ficamos tristes, mas o padre Pedro nos ajudou e trouxe a gente para cá”. 
O diretor dos Eventos Pró-vida e Pró-Família Nacional, da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro Lago Azul, de Novo Gama, em Goiás, padre Pedro Stepien, foi quem ajudou o casal a chegar até o papa. Ele informou que manteve contatos com representantes da Igreja no Rio para conseguir o encontro. O padre disse que, como voluntário, acompanha o processo legislativo no Congresso Nacional sobre leis que tratam do tema. De acordo com o religioso polonês, a luta é contra a proposta de lei, que segundo ele, considera o aborto profilaxia da gravidez. “Isso é abominável. 
A Constituição garante a inviolabilidade da vida humana”, esclareceu. Depois do encontro com o papa a família foi cercada por vários religiosos. A madre Maria Teresa do Mosteiro de Nossa Senhora da Conceição da Ajuda, de Vila Isabel, zona norte do Rio, pegou a menina no colo e a abençoou. “É o milagre da vida”, disse.

Da Agência Brasil via Blog do Wallace

quinta-feira, 25 de julho de 2013

JMJ: Confira a íntegra do discurso do Papa Francisco em Varginha

O Papa Francisco esteve das 11h ao meio dia desta quinta-feira na comunidade de Varginha, no Conjunto de Favelas de Manguinhos, Zona Norte do Rio de Janeiro. O Pontífice abençoou uma capela, visitou a casa de um morador, caminhou entre os fiéis e recebeu presentes. A visita foi finalizada com um discurso em que a Sua Santidade falou sobre corrupção, justiça e política e pediu ao público para não perder a esperança perante as injustiças.
Em um momento de descontração, o Pontífice disse que gostaria de beber um "cafezinho" com cada brasileiro. Em outro ponto, ele elogiou a hospitalidade do povo brasileiro, que sempre pode "colocar mais água no feijão" para receber alguém.

Confira a íntegra do discurso do Papa Francisco:

Queridos irmãos e irmãs,
Que bom poder estar com vocês aqui! Desde o início, quando planejava a minha visita ao Brasil, o meu desejo era poder visitar todos os bairros deste País. Queria bater em cada porta, dizer "bom dia", pedir um copo de água fresca, beber um "cafezinho", falar como a amigos de casa, ouvir o coração de cada um, dos pais, dos filhos, dos avós... Mas o Brasil é
tão grande! Não é possível bater em todas as portas! Então escolhi vir aqui, visitar a Comunidade de vocês que hoje representa todos os bairros do Brasil. Como é bom ser bem acolhido, com amor, generosidade, alegria! Basta ver como vocês decoraram as ruas da Comunidade; isso é também um sinal do carinho que nasce do coração de vocês, do coração dos brasileiros, que está em festa! Muito obrigado a cada um de vocês pela linda acolhida! Agradeço a Dom Orani Tempesta e ao casal Rangler e Joana pelas suas belas palavras.

Desde o primeiro instante em que toquei as terras brasileiras e também aqui junto de vocês, me sinto acolhido. E é importante saber acolher; é algo mais bonito que qualquer enfeite ou decoração. Isso é assim porque quando somos generosos acolhendo uma pessoa e partilhamos algo com ela – um pouco de comida, um lugar na nossa casa, o nosso tempo - não ficamos mais pobres, mas enriquecemos. Sei bem que quando alguém que precisa comer bate na sua porta, vocês sempre dão um jeito de compartilhar a comida: como diz o ditado, sempre se pode “colocar mais água no feijão”! E vocês fazem isto com amor, mostrando que a verdadeira riqueza não está nas coisas, mas no coração! E povo brasileiro, sobretudo as pessoas mais simples, pode dar para o mundo uma grande lição de solidariedade, que é uma palavra frequentemente esquecida ou silenciada, porque é incômoda.

Queria lançar um apelo a todos os que possuem mais recursos, às autoridades públicas e a todas as pessoas de boa vontade comprometidas com a justiça social: Não se cansem de trabalhar por um mundo mais justo e mais solidário! Ninguém pode permanecer insensível às desigualdades que ainda existem no mundo! Cada um, na medida das próprias possibilidades e responsabilidades, saiba dar a sua contribuição para acabar com tantas injustiças sociais! Não é a cultura do egoísmo, do individualismo, que frequentemente regula a nossa sociedade, aquela que constrói e conduz a um mundo mais habitável, mas sim a cultura da solidariedade; ver no outro não um concorrente ou um número, mas um irmão. Quero encorajar os esforços que a sociedade brasileira tem feito para integrar todas as partes do seu corpo, incluindo as mais sofridas e necessitadas, através do combate à fome e à miséria. Nenhum esforço de "pacificação" será duradouro, não haverá harmonia e felicidade para uma sociedade que ignora, que deixa à margem, que abandona na periferia parte de si mesma. Uma sociedade assim simplesmente empobrece a si mesma; antes, perde algo de essencial para si mesma. Lembremo-nos sempre: somente quando se é capaz de compartilhar é que se enriquece de verdade; tudo aquilo que se compartilha se multiplica! A medida da grandeza de uma sociedade é dada pelo modo como esta trata os mais necessitados, quem não tem outra coisa senão a sua pobreza!

Queria dizer-lhes também que a Igreja, «advogada da justiça e defensora dos pobres diante das intoleráveis desigualdades sociais e econômicas, que clamam ao céu» (Documento de Aparecida 395), deseja oferecer a sua colaboração em todas as iniciativas que signifiquem um autêntico desenvolvimento do homem todo e de todo o homem. Queridos amigos, certamente é necessário dar o pão a quem tem fome; é um ato de justiça. Mas existe também uma fome mais profunda, a fome de uma felicidade que só Deus pode saciar. Não existe verdadeira promoção do bem-comum, nem verdadeiro desenvolvimento do homem, quando se ignoram os pilares fundamentais que sustentam uma nação, os seus bens imateriais: a vida, que é dom de Deus, um valor que deve ser sempre tutelado e promovido; a família, fundamento da convivência e remédio contra a desagregação social; a educação integral, que não se reduz a uma simples transmissão de informações com o fim de gerar lucro; a saúde, que deve buscar o bem-estar integral da pessoa, incluindo a dimensão espiritual, que é essencial para o equilíbrio humano e uma convivência saudável; a segurança, na convicção de que a violência só pode ser vencida a partir da mudança do coração humano.

Queria dizer uma última coisa. Aqui, como em todo o Brasil, há muitos jovens. Vocês, queridos jovens, possuem uma sensibilidade especial frente às injustiças, mas muitas vezes se desiludem com notícias que falam de corrupção, com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram o seu próprio benefício. Também para vocês e para todas as pessoas repito: nunca desanimem, não percam a confiança, não deixem que se apague a esperança. A realidade pode mudar, o homem pode mudar. Procurem ser vocês os primeiros a praticar o bem, a não se acostumarem ao mal, mas a vencê-lo. A Igreja está ao lado de vocês, trazendo-lhes o bem precioso da fé, de Jesus Cristo, que veio «para que todos tenham vida, e vida em abundância» (Jo 10,10).

Hoje a todos vocês, especialmente aos moradores dessa Comunidade de Varginha, quero dizer: Vocês não estão sozinhos, a Igreja está com vocês, o Papa está com vocês. Levo a cada um no meu coração e faço minhas as intenções que vocês carregam no seu íntimo: os agradecimentos pelas alegrias, os pedidos de ajuda nas dificuldades, o desejo de consolação nos momentos de tristeza e sofrimento. Tudo isso confio à intercessão de Nossa Senhora Aparecida, Mãe de todos os pobres do Brasil, e com grande carinho lhes concedo a minha Bênção.


Julgamento de acusado de matar cunhada é cancelado em SP

A estudante Bianca Ribeiro Consoli, 19, foi assassinada em sua casa, em 2011, na zona leste de São Paulo
Foto/reprodução/facebook
O julgamento do motoboy Sandro Dota, acusado de matar a cunhada, Bianca Consoli, foi dissolvido na manhã desta quinta-feira (25). Com isso, um novo júri será remarcado, novos jurados serão escolhidos e o julgamento voltará à estaca zero.
Logo no início do terceiro dia de júri, Dota disse que não confiava mais em seu defensor, o advogado Ricardo Martins, e pediu que ele fosse retirado do caso.
A juíza Fernanda Afonso de Almeida precisou dissolver o conselho de sentença.
O julgamento começou na terça-feira, quando foram ouvidos a mãe de Bianca, a delegada Gisele Priscila Capello Lelo e o investigador Mauríciu Vestyik. Eles também afirmaram durante os depoimentos que Dota assediava Bianca e que ele apresentava arranhões nos braços após o crime.
Ontem, foi ouvida a perita criminal Margarete Mitiko, que voltou a apontar a compatibilidade entre o sangue do réu e o encontrado em Bianca após o crime. "O sangue encontrado debaixo das unhas da vítima é compatível com o colhido na calça usada pelo réu", afirmou.
Antes dela, já tinha sido ouvida a perita Ana Cláudia Pacheco, que também apontou compatibilidade. Ela foi ainda questionada sobre uma possível fraude no exame, mas afirmou que "isso só existe em novela." Também foram ouvidos a papiloscopista policial Alaide Mariano, uma amiga de Bianca e um pedreiro que teria trabalhado na casa da jovem na época do crime.
Mais cedo, foi ouvida irmã da jovem e mulher do réu, Daiana Consoli. Ela afirmou que o acusado "era possessivo e não gostava de ser contrariado." Disse que acreditava na inocência de Dota logo após o crime, mas acabou percebendo que havia "algo errado", quando ele se negou a fornecer material para o DNA.
Também depôs nesta terça-feira, o namorado de Bianca, que disse que o réu já tinha "mexido" com a jovem, e a perita Angélica de Almeida, que disse que ela morreu por asfixia e havia lesões no corpo da jovem que indicava luta corporal entre ela e seu assassino.

Fonte: Folha de São Paulo

Termina o primeiro dia de julgamento do caso Bianca Consoli

Bianca Consoli foi encontrada morta em casa, em 2011Reprodução/Facebook
Terminou por volta das 22h15 desta terça-feira (23) o primeiro dia de julgamento do caso Bianca Consoli, encontrada morta em casa em 2011, no Fórum Criminal da Barra Funda, em São Paulo. Três testemunhas depuseram durante uma sessão que durou pouco mais de sete horas, sob os olhares do acusado, o motoboy Sandro Dota. O segundo dia de julgamento será nesta quarta-feira (24), a partir das 10 h.
Depois dos depoimentos da mãe de Bianca, Marta Consoli, da delegada Gisele Priscila Capello Lelo, o investigador de polícia Maurício Silva Vestyik foi terceiro e último a depor neste primeiro dia. O policial relembrou uma passagem em que a vítima afirmou que morreria tentando escapar de um possível estupro, tempos antes de ser assassinada.
O policial disse que, certa vez, reunida com os parentes enquanto assistia à televisão, Bianca viu uma notícia de um tio que havia estuprado a sobrinha. Ela teria comentado com esses familiares que morreria tentando escapar de uma situação como essa.
O advogado Ricardo Martins, responsável pela defesa de Sandro Dota, acusado pelo crime, perguntou ao investigador quantas pessoas foram consideradas suspeitas. Vestyik respondeu que um ex-namorado, André (que morreu em um acidente), a então namorada de André, um vizinho, o padrasto, o irmão e um amigo foram considerados.
Questionado se havia descartado todos, o policial disse que todos os suspeitos falaram onde estavam e que as informações foram confirmadas. Além disso, foram colhidas digitais de todos os suspeitos, sendo que Dota foi o único que não quis fornecer as impressões das palmas das mãos.
Segundo depoimento
A delegada Gisele Priscila Capello Lelo afirmou, no segundo depoimento do dia, que o crime foi motivado pelointeresse sexual não correspondido que o acusado tinha por Bianca. Ela disse que chegou à conclusão com base nos depoimentos de testemunhas que ouviu durante as investigações.
Gisele afirmou ainda que o motoboy tinha comportamento agressivo e mulherengo. Os relatos de testemunhas, contou a delegada, mostraram que o acusado sempre dava em cima de outras mulheres.
Primeiro depoimento

A mãe de Bianca Consoli, Marta Consoli, foi primeira testemunha a ser ouvida no júri do caso Bianca, que teve início nesta terça-feira (23). Segundo Marta, o filho de Daiane Consoli — irmã da vítima e com quem Sandro era casado na época do crime — contou à família que o motoboy o sufocava com um travesseiro de "brincadeira". Além disso, ela contou que Sandro dava banho no menino — hoje, a criança está com 12 anos.

Em seu depoimento, a mãe de Bianca contou que Dota forçava os enteados a chamá-lo de pai e que passou a acreditar 100% que o acusado era culpado do crime, quando a calça do motoboy passou por perícia. Marta afirmou ainda que, depois do crime, soube que Dota assediava várias mulheres no bairro, além de sua filha Bianca.

O crime

O corpo da universitária Bianca Consoli, 19 anos, foi achado pela mãe dela, caído próximo à porta de saída de casa, na zona leste de São Paulo, no dia 13 de setembro de 2011. Segundo a polícia, a jovem foi atacada quando havia acabado de tomar banho e se preparava para ir à academia.
Na cama, os investigadores encontraram a toalha usada pela jovem, ainda molhada. A garota teria reagido à presença do criminoso e começado uma luta escada abaixo. Foram localizadas mechas de cabelo pelos degraus.
Dentro da garganta da jovem, a polícia encontrou uma sacola plástica, usada pelo autor para asfixiar a estudante.
As investigações apontaram o motoboy Sandro Dota, cunhado da vítima, como o suposto autor do crime. Ele está preso desde o dia 12 de dezembro de 2011.  
O motoboy nega as acusações e se diz inocente. Em julho do ano passado, ele foi para o Complexo Penitenciário de Tremembé, a 147 km de São Paulo. Dota alegou ter sofrido ameaças de morte no Centro de Detenção Provisória 3 de Pinheiros, na zona oeste da capital paulista, onde estava. Por este motivo, a Justiça teria determinado sua transferência.  
Em agosto do ano passado, a acusação de estupro foi incluída no processo contra Sandro Dota. A defesa do réu, entretanto, nega o crime e diz que o laudo do legista é inconclusivo. Para a polícia, o crime teve motivação sexual.
Fonte: R7

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Mensagem codificada da 2ª Guerra é encontrada em restos mortais de pombo-correio

Pombo-correio

Agentes da inteligência britânica tentam decifrar uma mensagem codificada encontrada junto a restos mortais de um pombo-correio utilizado na Segunda Guerra Mundial. Os ossos do animal foram encontrados na chaminé de uma casa em 1982, quando o seu proprietário, David Martin, decidiu restaurar o telhado. 

"Eu comecei a encontrar pedaços de um pombo morto. Nós pensávamos que poderia ser um pombo de corrida, até avistarmos uma cápsula vermelha", afirmou Martin aos repórteres na época da descoberta. O pequeno cilindro vermelho continha uma mensagem criptografada.

A mensagem, que está quase completamente apagada, é considerada muito sensível e importante, já que especialistas do Quartel General de Comunicações do Reino Unido procuram decifrá-la freneticamente. A ave foi nomeada de 40TW194, número encontrado em um anel de alumínio preso em sua pata, onde os dois primeiros algarismos indicam o ano de nascimento do pombo, no caso, 1940.

Especialistas afirmam que a mensagem deve ter sido enviada da França dominada pelos nazistas no dia 6 de junho de 1944, historicamente conhecido como o Dia D. Devido ao apagão do sistema de rádio, pombos-correio foram enviados aos membros das forças Aliadas sobre a retomada da costa inglesa, e os animais foram utilizados em larga escala durante a Guerra Mundial com mais de 25 mil aves tendo sido treinadas para o serviço de correio.
Mensagem codificada pombo-correio 2ª Guerra
Reprodução: Discovery News
Ao todo, 32 aves foram condecoradas com a Medalha Dickin pelos serviços prestados durante o período turbulento, a mais alta condecoração possível a um animal na Grã-Bretanha.
Sobre a morte do pombo, especialistas acreditam que ele pode ter se perdido ou se desorientado pelas más condições climáticas, ou ainda estava muito exausto depois de percorrer milhares de quilômetros e pode ter tentado descansar no alto da chaminé, onde foi sufocado pela fumaça. Ainda imagina-se que ele foi destinado ao Bletchey Park, a 128 quilômetros de distância da casa de Martin, onde decifradores trabalhavam sem parar para decifrar algumas mensagens dos nazistas.

"A mensagem encontrada por Martin deve ser altamente secreta. Temos mais de 30 mensagens de pombos-correio da Segunda Guerra Mundial expostos, mas nenhum deles está codificado", afirmou ao Discovery News Colin Hill, curador do material exposto em Bletchey Park. "Sabemos que é um pombo das forças Aliadas por causa da cápsula vermelha que estava carregando, mas isso é tudo que sabemos".
Além disso, acredita-se que a mensagem se destinava ao Comando do Corpo de Bombeiros, enquanto a assinatura do remetente na parte inferior da mensagem diz "Serjeant W Stot". Por enquanto, ainda há muito mistério acerca da mensagem que o pombo-correio carregava.


Bebê real aparece em público pela primeira vez em Londres

23/7 - Willian segura seu filho pela primeira vez em público (Foto: Lefteris Pitarakis/AP)
William segura seu filho pela primeira vez em público (Foto: Lefteris Pitarakis/AP)
O bebê real, filho do Príncipe William e de Kate Middleton, a duquesa de Cambridge, fez nesta terça-feira (23) sua primeira aparição pública em Londres.
A família saiu do hospital com o bebê pouco depois das 18h locais, para a tradicional apresentação, do possível futuro rei, ao público e à imprensa. O menino, nascido na véspera no hospital St. Mary, tornou-se o terceiro na linha de sucessão do trono britânico, atrás do avô, Charles, e do próprio pai, William.
Os dois novos pais, que receberam a visita dos quatro avós maternos e paternos à tarde, reeditaram o gesto de Charles e Diana, que haviam apresentado seu primeiro filho, o príncipe William, exatamente no mesmo local, há trinta anosApós exibirem o pequeno príncipe de Cambridge para os fotógrafos, o Príncipe William disse que o casal ainda está "se decidindo" sobre o nome do bebê. Nas casas britânicas de aposta, os nomes favoritos são George e James.
Close do rosto do bebê real (Foto: Peter Macdiarmid/Getty Images)
Close do rosto do bebê real (Foto: Peter Macdiarmid/Getty Images)
'Parece com ela, por sorte'

"É um bebê grande, pesa bastante e já tem mais cabelo que eu", disse. "Parece com ela, por sorte." Sorridente e brincalhão, de camisa azul clara, ele afirmou que o casal está "muito emocionado" com o nascimento do bebê e brincou sobre o choro do futuro rei: "Ele tem um bom par de pulmões, isso é certo", disse.

'Momento especial'

A duquesa de Cambridge, com um vestido azul de bolinhas, sorriu e acenou para a multidão entusiasmada, segurando seu filho, envolto em um manto branco. "É um momento especial", disse Kate. "Creio que qualquer pai de primeira viagem sabe o que se sente." Depois, ela passou o bebê para o marido. 

Após a apresentação, o casal voltou ao hospital, e logo em seguida partiu, de carro, para o Palácio de Kensington, sua residência oficial londrina. O bebê foi colocado em uma cadeirinha especial, na parte de trás do carro.
23/7 - Kate carrega seu filho pela primeira vez em público (Foto: Lefteris Pitarakis/AP)
Kate carrega seu filho pela primeira vez em público (Foto: Lefteris Pitarakis/AP)
23/7 - Filho de Kate e William deixa o hospital nesta terça (Foto: John Stillwell/AFP)
Filho de Kate e William deixa o hospital nesta terça (Foto: John Stillwell/AFP)
23/7 - William carrega seu filho para dentro do carro ao deixar o hospital (Foto: Carl Court/AFP)
William carrega seu filho para dentro do carro ao deixar o hospital (Foto: Carl Court/AFP)
23/7 - William acena para a imprensa que aguardava a aparição do seu filho (Foto: Leon Neal/AFP)
William acena para a imprensa que aguardava a aparição do seu filho (Foto: Leon Neal/AFP)
23/7 - William e Kate sorriem ao apresentar seu filho para a imprensa (Foto: Lefteris Pitarakis/AP)
William e Kate sorriem ao apresentar seu filho para a imprensa (Foto: Lefteris Pitarakis/AP)
23/7 - Kate passa o filho para as mãos de William (Foto: Stefan Wermuth/Reuters)
Kate passa o filho para as mãos de William (Foto: Stefan Wermuth/Reuters)
arte árvore genealógica família real v. 2 (Foto: 1)
Fonte: G1

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Papa Francisco chega ao Brasil

O papa Francisco chegou agora há pouco no Rio de Janeiro. Ele participará, a partir de amanhã (23), da Jornada Mundial da Juventude (JMJ).
Francisco foi recebido pela presidente Dilma Rousseff e o vice-presidente, Michel Temer. Também formaram a comitiva de recepção ao papa oito ministros de Estado, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e o prefeito do Rio, Eduardo Paes.
Ao desembarcar, Francisco beijou duas crianças na testa que lhe recepcionaram com flores. Acompanhado da presidente, o papa cumprimentou todas as autoridades presidentes, inclusive do Clero. Em seguida, Dilma e Francisco conversaram descontraidamente e cumprimentaram as pessoas que o aguardavam na Base Aérea do Galeão.
Após a recepção, o papa pegou um carro para ir à Catedral Metropolitana. Mais tarde, ele andará de papamóvel pela cidade. As informações são da Agência Brasil. 

Filhotes de pantera negra

Filhotes de panteras negras gêmeas, que ganharam os nomes de Remaong (o macho) e Ferra (a fêmea) no zoológico alemão Tierpark, em Berlim. 

Fotos:Tobias Schwarz/Reuters




Fonte:noticias.uol.com.br


quarta-feira, 17 de julho de 2013

Filhotes de leão branco

Leoa branca dá à luz seis filhotes na Alemanha.
Fotos: Andrew Lubimov/AP
Filhote de leão branco deita em cima de bicho de pelúcia no jardim zoológico de Yalta, na península da Criméia (Ucrânia). 


Filhote de leão branco toma leite em mamadeira no jardim zoológico de Yalta, na península da Criméia (Ucrânia). 




Filhote de leão branco tenta rugir para fotógrafo no jardim zoológico de Yalta, na península da Criméia (Ucrânia). 


Fonte:noticias.uol.com.br

terça-feira, 16 de julho de 2013

Modelo paranaense é eleita a mais bela surda do mundo

Thaisy tem 25 anos e mora com a família em

Umuarama (Foto: Paulo Quinalia)
A modelo paranaense Thaisy Payo, de 25 anos, foi eleita a miss surda mais bela do mundo no  concurso Miss Deaf World, realizado em Praga, na República Tcheca, no sábado (13). Nascida em Umuarama, no noroeste do Paraná, a jovem já tinha conquistado o título de Miss Surda Brasil em um concurso realizado em Fortaleza, em fevereiro deste ano.
Em segundo e terceiro lugar na competição do concurso internacional ficaram respectivamente Erika Duricová, da Eslováquia, e Queval Marianne, da França.

Os primeiros trabalhos de Thaisy como modelo começaram cedo, aos 11 anos de idade, quando a jovem fez as primeiras fotos. Já os concursos como profissional começaram em 2010, quando a jovem levou os títulos de Rainha da ExpoUmuarama, evento que ocorre anualmente em Umuarama, e Rainha Surda Brasileira, também em 2010, em um concurso realizado pela Associação dos Surdos de Florianópolis.

Atualmente a modelo mora com a família em Umuarama e dá aulas de libras em uma instituição na cidade. De acordo com um amigo da família, ela deve retornar ao Brasil nesta terça-feira (16).
Jovem começou os trabalhos como modelo aos 11 anos de idade (Foto: Paulo Quinália)
Fonte: Blog Voz do povo

Filhotes de tigre-siberiano

Filhotes de tigre-siberiano brincam no zoológico de Saint Felicen, no Canadá, ao lado da mãe, Amurskaya.


Fotos: Mathieu Belanger/Reuters











Fonte:noticias.uol.com.br

segunda-feira, 15 de julho de 2013

A história de Katie Kirkpatrick.




A moça desta foto se chamava Katie Kirkpatrick, e tinha 21 anos. Ao lado dela estava seu noivo Nick de 23 anos. 
A foto foi tirada pouco antes da cerimônia de casamento dos dois, realizada em 11 de janeiro de 2005, nos EUA. Katie tinha câncer em estado terminal e passava horas por dia recebendo medicação. 
Na foto Nick aguardava o término de mais uma de suas sessões.
Apesar de sentir muita dor, de vários órgãos estarem apresentando falências e de ter que recorrer à morfina, Katie levou adiante o casamento e fez questão de cuidar de todos os detalhes. 
O vestido teve que ser ajustado várias vezes, pois Katie perdia peso todos os dias devido ao câncer.
Um acessório inusitado na festa foi o tubo de oxigênio usado por Katie. Ele acompanhou a noiva em toda a cerimônia e na festa também. 
O outro casal da foto são os pais de Nick, emocionados com o casamento do filho com a mulher que ele foi namorado desde a adolescência.
Katie, sentada em uma cadeira de rodas e com o tubo de oxigênio, escutando o marido e os amigos cantando para ela.
No meio da festa, Katie pára para descansar um pouco. A dor a impede de ficar em pé por muito tempo.
Katie morreu 5 dias depois do casamento. Ver uma mulher tão debilitada vestida de noiva e com um sorriso nos lábios nos faz pensar...a felicidade sempre está ao alcance, dure enquanto dure, por isso devemos deixar de complicar nossas vidas...
A vida é curta, por isso...
Trabalhe como se fosse seu primeiro dia, perdoe rapidamente. 
Beije demoradamente, ame verdadeiramente. 
Ría incontrolavelmente e nunca deixe de sorrir por mais estranho que seja o motivo. 
A vida pode não ser a festa que esperamos mas enquanto estamos aqui, devemos sorrir e agradecer...


Essa é uma história verídica, e conta realmente como foram os últimos dias na vida da jovem Katie Kirkpatrick.

domingo, 14 de julho de 2013

Desertificação já atinge uma área de 230 mil km² no Nordeste


seca

Mapeamento feito por satélite feito pelo Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites da Universidade Federal de Alagoas lança alerta para o fenômeno
Como se não bastasse a falta de chuvas, o Brasil vê se alastrar no Nordeste um fenômeno ainda mais grave: a desidratação do solo a tal ponto que, em última instância, pode torná-lo imprestável. Um novo mapeamento feito por satélite pelo Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites da Universidade Federal de Alagoas (Lapis), que cruzou dados de presença de vegetação com índices de precipitação ao longo dos últimos 25 anos, até abril passado, mostra que a região tem hoje 230 mil km² de terras atingidas de forma grave ou muito grave pelo fenômeno.
A área degradada ou em alto risco de degradação é maior do que o estado do Ceará. Hoje, o Ministério do Meio Ambiente reconhece quatro núcleos de desertificação no semiárido brasileiro. Somados, os núcleos de Irauçuba (CE), Gilbués (PI), Seridó (RN e PB) e Cabrobó (PE) atingem 18.177 km² e afetam 399 mil pessoas.
Num artigo assinado por cinco pesquisadores do Instituto Nacional do Semiárido (Insa), do Ministério da Ciência e Tecnologia, são listados seis núcleos, o que aumenta a área em estado mais avançado de desertificação para 55.236 km², afetando 750 mil brasileiros.
Os dois núcleos identificados pelos pesquisadores do Insa são o do Sertão do São Francisco, na Bahia, e o do Cariris Velhos, na Paraíba, estado que tem 54,88% de seu território classificado em alto nível de desertificação.
Trata-se de um prolongamento que une o núcleo do Seridó à microrregião de Patos, passando pela dos Cariris Velhos. Apenas na microrregião de Patos, 74,99% das terras estão em alto nível de desertificação, segundo dados do Programa Estadual de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca da Paraíba.
- A degradação do solo é um processo silencioso – afirma Humberto Barbosa, professor do Instituto de Ciências Atmosféricas e coordenador do Lapis, responsável pelo estudo. – No monitoramento por satélite fica evidente que as áreas onde o solo e a vegetação não respondem mais às chuvas estão mais extensas. Em condições normais, a vegetação da Caatinga brota entre 11 e 15 dias depois da chuva. Nestas áreas, não importa o quanto chova, a vegetação não responde, não brota mais.
Estão em áreas mapeadas como críticas de desertificação municípios como Petrolina, em Pernambuco, que tem mais de 290 mil habitantes, e Paulo Afonso, na Bahia, com 108 mil moradores. Barbosa explica que a desertificação é um processo longo e a seca agrava a situação. Segundo ele, em alguns casos, a situação é difícil de reverter.
Na Bahia, numa extensão de 300 mil km² no Sertão do São Francisco, os solos já não conseguem reter água. Na região de Rodelas, no Norte do estado, formou-se, a partir dos anos 80, o deserto de Surubabel.
Numa área de 4 km², ergueram-se dunas de até 5 metros de altura. Segundo pesquisadores, a área foi abandonada depois da criação da barragem da hidrelétrica de Itaparica, usada para o pastoreio indiscriminado de caprinos e, por fim, desmatada. O solo virou areia. O rio, que era estreito, ficou largo, e o grande espelho d’água deixou caminho livre para o vento.
- Não existe dúvida de que o processo de degradação ambiental é grave e continua aumentando – desabafa Aldrin Martin Perez, coordenador de pesquisas do Insa. – A população aumentou, o consumo aumentou. Há consequências políticas, sociais e ambientais. Se falassem do problema de um banco, todos estariam unidos para salvá-lo. Como não é, não estão nem aí.
No Sul do Piauí, onde fica o núcleo de Gilbués, são 15 os municípios atingidos. Nos sete em situação mais grave, segundo dados do governo do estado, a desertificação atinge 45% do território de cada um.
Em Gilbués, uma fazenda modelo implantada pelo governo do estado conseguiu recuperar o solo e fazer florescer milho. Todos os anos se comemora ali a festa do milho, mas a experiência de recuperação é limitada. Hoje, 10,95% das terras do Sul do estado apresentam graus variados de desertificação.
Em Alagoas, estudos apontam que 62% dos municípios apresentam áreas em processo de desertificação, sendo os níveis mais graves registrados nos municípios de Ouro Branco, Maravilha, Inhapi, Senador Rui Palmeira, Carneiros, Pariconha, Água Branca e Delmiro Gouveia.
A cobertura florestal do estado é tão baixa que Francisco Campello, responsável pelo programa de combate à desertificação do Ministério do Meio Ambiente, chegou a dizer que, se fosse uma propriedade, Alagoas não teria os 20% de reserva legal.
Degradação intensa
A seca no Nordeste sempre existiu. O que está em jogo agora não é só a falta de chuva, mas a degeneração da terra. O solo frágil exige preservação da vegetação de caatinga e técnicas de manejo, inclusive de pastoreio.
Mas 30% da energia consumida no Nordeste vem da lenha, e o que queima é a mata nativa. Segundo relatório do governo do Rio Grande do Norte, que divide com a Paraíba o núcleo de desertificação do Seridó, além da retirada de lenha, a degradação vem do desmate para abrir espaço para agricultura, pecuária, mineração e extração de argila do leito de rios para abastecer a indústria de cerâmica.
Ao comparar estudos de 1982 e 2010, os especialistas chegaram à conclusão que se passaram 28 anos de intensa degradação sem que a situação se alterasse. A indústria de cerâmica segue como principal fonte de renda e emprego.
Pelo menos 104 empresas competem pela argila para fabricar telhas e tijolos. Dos seis municípios do Núcleo de Desertificação, cinco fazem parte do Polo Ceramista do Seridó e abrigam 59 empresas do setor.
- O Brasil ainda trata a seca como se fosse o Zimbábue ou outros países muito pobres da África – afirma Barbosa. – Isso não é aceitável. Temos pesquisa, técnicas e ferramentas para evitar que a degradação aconteça. Os políticos tratam a seca em ciclos de quatro anos, que é a duração de seus mandatos. Se nada acontecer, as pessoas dos municípios atingidos pela desertificação vão migrar para grandes centros, gerando outros problemas.
Em Gilbués, as crateras abertas no solo, conhecida como voçorocas, compõem uma paisagem chocante. Mas os locais onde não surgem fendas na terra expostas são ainda mais preocupantes.
Ano após ano, as pessoas não percebem que a vida do solo está se esvaindo. Somente ao cavar fendas é que se percebe que o solo está cada vez mais raso e a camada de vida, que são os 5 cm mais próximos à superfície, está mais estreita ou quase inexiste.
A perda de fertilidade se alastra também por parte de Minas Gerais e por áreas do Rio Grande do Sul, onde há o fenômeno denominado arenização – não é desertificação porque esta pressupõe escassez de chuva e aridez, o que não ocorre por lá.
Em Minas, a área de maior risco envolve 69 mil km² em 59 municípios no Norte, Jequitinhonha e Mucuri. Em documento entregue ao Ministério do Meio Ambiente, o governo de Minas calculou em R$ 1,29 bilhão o custo de projetos de prevenção.
- O problema é que os solos estão sendo compactados – diz Afrânio Righes, ex-chefe do Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e professor de engenharia ambiental do Centro Universitário Franciscano (Unifra), em Santa Maria (RS). – O solo já não age como uma esponja, absorvendo a chuva. Com o plantio direto, sem aragem da terra, e o uso de grandes máquinas na lavoura, a água não infiltra, escorre sobre a superfície e se perde. Os impactos da estiagem aumentam, porque há pouca água acumulada na terra. Por isso, é preciso cavar sulcos na terra, a cada 10 metros, para forçar a infiltração. Como não existe máquina adequada para isso, os agricultores não o fazem.
Em Minas, vegetação e terra sofrem com queimadas frequentes, destruição de matas que protegem nascentes, assoreamento de rios e até irrigação, que capta água em excesso, comprometendo cursos d’água e causando salinização do solo.
No Rio Grande do Sul, a ânsia de unir criação de gado e plantio de soja, em busca de lucros maiores, saturou o solo na região de Alegrete, resultando na arenização. Sobrou o “deserto de São João”.
- O solo não era propício para a soja e a camada orgânica se foi em pouco tempo – explica Righes. – Ficou areia pura e, com o vento, ela não parava de avançar.
A solução encontrada pelos gaúchos para barrar o deserto surgido nos pampas foi plantar eucalipto no entorno da área, criando uma cortina de contenção dos ventos.
- A mudança climática tem peso importante nos processos de desertificação – afirma Manuel Otero, representante do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA). – Mudou a sequência e intensidade das chuvas. Há menos água disponível. E mais degradação ambiental significa mais pobreza.
Para Otero, a boa notícia é que o ciclo vicioso pode ser quebrado. Com apoio da União Europeia, o instituto levou para o município de Irauçuba técnicas e ações para impedir que a desertificação se alastre. O coordenador de Recursos Naturais e Adaptação às Mudanças Climáticas do IICA, Gertjan Beekman, afirma que técnicas simples, como barramento da água, já deram resultado no município de Canindé.
- Nascentes que estavam secas oito anos atrás ressurgiram – comemora Beekman. – Isso mostra que é possível reverter esse processo.
Na Argentina, 70% a 80% da superfície do país são vulneráveis à desertificação, principalmente ao Norte. No Brasil, toda a região do semiárido é considerada área suscetível. Segundo Perez, do Insa, não existe um único modelo ou indicador padronizado para determinar a extensão das terras em processo de desertificação no país.
- Não há no Brasil monitoramento sistêmico, apenas estudos pontuais – diz o pesquisador. – A sensibilização não é algo imediato. É preciso estimular as pessoas a olharem com outro olhar e reconstruir a memória intergeracional. A própria sede da Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos das Secas fica na Alemanha, onde não há o problema.
(Cleide Carvalho / O Globo)
http://oglobo.globo.com/amanha/desertificacao-ja-atinge-uma-area-de-230-mil-km-no-nordeste-8969806#ixzz2YeOVnplc